A história da Igreja Católica no Brasil pode ser confundida e misturada com a história do Brasil pós-chegada dos portugueses, em 1500, e as maiores tentativas em colonizar a terra e se estabelecer no novo território a partir, especialmente, de 1530.

Religião-Católica-18Como é um país altamente católico até hoje, Portugal incentivou a presença da Igreja na missão de povoar e educar os colonos, assim como converter os povos nativos para os dogmas do catolicismo, catequizando os índios. A construção de igrejas também foi uma atividade corriqueira no país por anos e anos. Até hoje, igrejas do século XVII e XVIII estão muito bem conservadas em Minas Gerais e outros estados como Bahia e São Paulo.

Diversas figuras católicas ficaram conhecidas no Brasil ainda no século XVI e até hoje dão nome a ruas, monumentos e construções de forma geral; como o padre José de Anchieta e o padre João de Azpilcueta Navarro. A padroeira do Brasil é Nossa Senhora Aparecida.

Essa relação não foi sempre pacífica, com diversos embates entre governo e autoridades religiosas, especialmente no tratamento aos índios. No século XVIII, o Marquês de Pombal chegou a expulsar os jesuítas da Companhia de Jesus.

Entretanto, a Igreja Católica continuou com sua presença no Brasil e, ao longo dos séculos, aumentou sua presença em todas as camadas da sociedade, especialmente as mais baixas. A chegada de imigrantes da Itália, Espanha e também Portugal também ajudou no aumento do número de seguidores, já que esses países têm grande tradição católica.

Assim, logo o Brasil se tornou o país com maior número de católicos no mundo. Nas últimas décadas a Igreja teve que enfrentar alguns desafios, como o aumento do número de igrejas neopentecostais e seu cada vez maior número de fiéis, especialmente em alguns estados da região sudeste, como o Rio de Janeiro. Porém, a primeira posição ainda está solidificada.