A Jornada Mundial da Juventude foi criada pelo Papa João Paulo II em 1985. O evento visa juntar jovens católicos do mundo inteiro para celebrar a fé, aprender mais sobre a Igreja e a religião em si e também conviver com outros fiéis, promovendo um intercâmbio cultural.

pope_john_paul_ii1O evento no início era para ocorrer anualmente e a primeira edição foi em 1986 na capital da Itália, Roma. Mas depois de 1987, edição de Buenos Aires, foi instituído um intervalo de dois anos (Santiago de Compostela, 1989) e finalmente solidificou a ideia de três anos de intervalo, com as duas últimas sendo Rio de Janeiro em 2013, Cracóvia em 2016 e a próxima no Panamá em 2019.

Por ser um evento para o público jovem, a JMJ tem como grande objetivo promover a educação e o intercâmbio de culturas entre os jovens dos mais diversos lugares e países e também conhecer bastante o contexto e as particularidades do local que a festa é realizada. No fim, a intenção é mostrar que apesar das diferentes origens geográficas, modos de pensar, de agir, todos estão unidos pela fé cristã.

Edição do Rio de Janeiro

Com o versículo “Ide e fazei discípulos entre todas as nações”, a JMJ do Rio de Janeiro (julho de 2013) foi marcada pelo gigantesco número de fieis presentes. A Praia de Copacabana recebeu a missa de encerramento e foi a primeira com a presença do Papa Francisco, que sucedeu o papa Bento XVI, autor do anúncio que a Jornada seria na cidade carioca, em 2011.

Estima-se que o público foi de 3,7 milhões de pessoas, ficando próximo do recorde para a Jornada Mundial da Juventude, que foi estabelecido em Manila, capital das Filipinas, onde um público de 4 milhões celebrou a fé cristã e a presença do Papa João Paulo II.